Ir para conteúdo

Viajar e experimentar: espumantes e frisantes

espumante_frisante

Olá Desbravadores!

Todos os vinhos dignos do nome são maravilhosos, disso ninguém duvida. A bebida originária das uvas é uma das mais amadas e estudadas desde os primórdios da humanidade.

Mesmo assim, tanto tempo depois, ainda é comum vermos pessoas cometendo equívocos constrangedores… Mas cuidado antes de criticar os outros, porque se não formos enólogos iniciados, nós também não estamos livres de cometer nossas gafes.

As definições de espumante e de frisante costumam aparecer entre as dúvidas mais frequentes. Muita gente pensa que se trata da mesma coisa. Mas a diferença vai além do nome que aparece no rótulo.

Se você também tem essa dúvida, ou se teve a curiosidade despertada, então você está no lugar certo! Aqui e agora, você vai aprender tudo o que diferencia um espumante e um frisante! E tem mais: depois da leitura, você não será mais pego de surpresa quando lhe perguntarem algo a respeito.

Espumante e Frisante não é a mesma coisa?

espumante e frisante
Foto: Creative Commons

 

Diferentemente do que muitas pessoas novatas no mundo dos vinhos (e até algumas mais veteranas) possam pensar, espumantes e frisantes definitivamente não são iguais.

As duas bebidas têm, sim, algumas semelhanças entre elas, não dá para negar. Principalmente em relação às suas borbulhas características, que descem suaves e refrescantes por nossa garganta…

(Hummm… deu até vontade!)

Bem, voltando às questões técnicas, antes de darmos o próximo gole… Semelhanças à parte, certas diferenças entre espumantes e frisantes são fundamentais para distinguir sabor, corpo e demais propriedades.

Depois de aprendermos os atributos típicos de cada um dos dois, inclusive quanto aos processos de produção, acreditamos que as dúvidas não serão mais um problema para você.

Frisante

Frisante
Foto: Creative Commons

Os frisantes são vinhos que contam com pouco gás carbônico, resultado da interação química peculiar que se desencadeia na produção dessa bebida, no momento da fermentação das uvas.

Isso acontece, basicamente, porque a fermentação dos frisantes ocorre apenas uma vez, o que limita a concentração do gás. Logo, eles contam com menos borbulhas do que os vinhos espumantes – aproximadamente, metade delas.

O teor alcoólico dos frisantes é bem variável: pode ficar entre 7% e 14%, de acordo com o rótulo escolhido. Além disso, a pressão dentro da garrafa varia de 1,1 a 2 atmosferas, ou seja, não é tão elevada assim.

A menor pressão e a menor concentração de gás carbônico fazem com que o frisante não tenha tanta espuma quando é colocado na taça. Cientes dessa diferença, fica mais fácil perceber as particularidades e fazer menos confusão na hora de degustar vinhos que borbulham…

Existem vários rótulos deliciosos de frisantes ao redor do mundo. Alguns dos mais conhecidos e amados são os Lambruscos, originários da Itália.

Espumante

espumante
Foto: Creative Commons

Os espumantes são diferentes, em grande medida, porque são feitos através da segunda fermentação de vinhos que já haviam sido fermentados, sejam eles brancos, tintos ou rosé. Por isso, concentram bem mais gás carbônico do que seus primos com menos borbulhas.

A pressão dos espumantes na garrafa varia de 3 a 6 atmosferas, bem maior do que se vê nos frisantes. Isso, em conjunto com a maior concentração de gás, faz com que eles produzam bastante espuma na hora de servir a bebida ou de abrir a garrafa – e mais ainda caso ela seja agitada antes da abertura.

Os espumantes normalmente são produzidos a partir de uvas utilizadas para vinhos finos – mais uma diferença importante, que impacta diretamente em seu sabor.

A faixa de teor alcoólico dos espumantes é mais restrita, varia de 10% a 13%. Sua produção está difundida praticamente por todos os países com vinícolas, com destaque para os espumantes franceses, reconhecidos mundialmente por sua excelência.

Há vários tipos de espumantes, e alguns dos mais famosos são: Prosecco, Asti, Sekt e Cavas, todos distribuídos em ótimos rótulos.

E os Champagnes?

Champagnes
Foto: Creative Commons

Cabe aqui uma observação sobre o champagne. Afinal de contas, nós sabemos que ele também é um vinho repleto de borbulhas. Mas será que se trata de um frisante ou de um espumante? Ou, ainda, de um tipo diferente de bebida??

Vamos a uma equação clássica, para ver se ajuda: “Todo champagne é um espumante, mas nem todo espumante é um champagne.”

Confundiu mais ainda?! Calma. Vamos, então, por partes.

Existe uma região na França que se chama Champagne. Ela fica a 150 quilômetros de Paris, e lá foi desenvolvido um tipo de espumante muito especial, que levou o nome de….. Claro, champagne!

Esse é um vinho bem rebuscado e específico. Exige técnicas de produção que o colocam entre um dos mais complexos do mundo, com fermentação natural e uso exclusivo das uvas Pinot Noir, Chardonnay e Pinot Meunier. Além disso, exige também procedimentos especiais na hora de servir.

Tudo isso faz com que os rótulos de champagne sejam mais caros do que a maioria dos outros espumantes. Portanto, champagne mesmo é só o que veio de Champagne, na França. Caso contrário, é espumante. (que também pode ser muito saboroso!)

Como Tomar um Frisante, Espumante ou Champagne?

FRISANTE ESPUMANTE
Foto: Creative Commons

Naturalmente, esses vinhos são mais refrescantes do que os tintos, brancos, rosé, do Porto e outros tipos mais “comuns” de vinho. Por isso, eles costumam ser consumidos em dias mais quentes.

Além disso, existe também o lado lúdico da bebida, especialmente dos espumantes e champagnes, que têm presença garantida em festas, casamentos e outros eventos de maior relevância. Basta lembrar da expectativa que antecede o momento simbólico e mágico de “estourar” um espumante! Hora de bater palmas e dar vivas, quando a rolha salta e o líquido transborda da garrafa, para um brinde coletivo em grande estilo!

O que não significa que eles não possam ser consumidos de forma mais trivial e aconchegante, em casa, junto com amigos ou com a família. Sem falar naquele memorável jantar com a pessoa amada!…

Assim como todos os vinhos, eles são ótimas companhias para várias ocasiões da vida.

Nunca Mais Confunda Frisante, Espumante e Champagne!

ROLHAS
Foto: Creative Commons

Depois das devidas explicações, para simplificar, nós podemos chegar à seguinte conclusão:

  • Frisante: vinho fermentado uma única vez, com pouco gás carbônico;
  • Espumante: obtido através de vinhos já fermentados previamente, que passam por uma nova fermentação e apresentam mais gás carbônico;
  • Champagne: espumante original, produzido na região de Champagne, na França, a partir de um processo detalhado e bastante minucioso.

Pronto! Agora que você já sabe quais são as principais características e diferenças entre eles, que tal escolher um de cada tipo, entre tantas opções de vinhos online?

Assim, você vai poder apontar (ou melhor, sentir na prática) o verdadeiro diferencial, que é o sabor da bebida, com suas adoráveis borbulhas…

Com certeza, este será um exercício maravilhoso, para ser feito com imenso prazer!

Aprecie a postagem sobre os melhores restaurantes que conheci na America Latina, e inicie a harmonização entre a gastronomia e a enologia.

Au Revoir, Ci vediamo, Hasta Luego, See you later, Até logo!

Michellândia

Nas redes 💻

✈Facebook: @blogmichellândia
✈ Instagram: @blog_michellandia
✈ Linkedin: Michelle Graça
✈ Mochileiros.com: Autora Michelle Graça

Foto Capa: Creative Commons

 

Anúncios

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: